Moçambique

Moçambique
Parque da Gorongosa

Douro

Douro
An cama de mofo

terça-feira, 10 de maio de 2011

L beneiro de las palabras

Se me amostrasses l beneiro de las palabras
Agora que l miu ribeiro stá quaije seco
I las mies palabras quaije muortas
Cumo las xardas ne l charco cun pouco auga.
Meio atafanhadas
Ábren la boca cun falta de aire
Porque l ocigénio nun l chega
Para resfolgar.

Se me´ amostrasses l beneiro de las palabras
Daqueilhas bien fresquitas
Garimpaba cumo quien garimpa ouro
Quien sabe a torna jeira
Ó de qualquiera outra maneira
Cumo quien percura un tesouro.

An pagas
Cun eilhas screbie-te un poema
Cun las letras anrosairadas cumo quien
Anfila ua buolta de sartas.
Un poema
An que la métrica me bestie
I la rima me çpie l´alma.

Se m´amostrasses l beneiro de las palabras
Colherie desse manancial
L que me stá a fazer falta

2 comentários:

Anónimo disse...

Lindos versos,e lidos dum trago muito se parecem com o modo de falar da aldeia da minha avó,-NABO-Vila Flor.Não sei se por ser um pouco mais isolada,que a minha aldeia,que até á minha adolescência ainda tinha estrada de terra batida,a forma de supressão de letras e o modo fechado de pronúncia,assim como ditongos,ex: nun em vez de não,embora comum em todo o Trás os Montes,ali era mais evidente,bem como formas mais antigas de nomes de muitas coisas a que carinhosamente nós apelidamos de TRASMONTANES.Não tinha tido contactos com Mirandes e não sei se por isso,não me é difícil entender.

um grande benairo de felicidade.

Fátima Amaral

Adelaide Monteiro disse...

Oulá Fátima!!

Puis si, hai palabras comuns deste nuosso nordeste i outras que se tíran pul sentido de la frase.

Un grande beneiro de amisade.

Beisicos,


Delaide

Enviar um comentário