Moçambique

Moçambique
Parque da Gorongosa

Douro

Douro
An cama de mofo

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Ls mius siléncios

Por muito que me déias siléncio
Jinelas de dous bidros
Nunca será esse siléncio
Que me dá calma i sossego...

L siléncio que percuro
Ten checharras a checharrar
Mouchos ne la nuite a piar
Ten grilhos a cantar
Chios de carros a acarriar.

Nun me déian siléncios custruídos
Que me atelúndran ls oubidos
I nun me deixan resfolgar.

L siléncio que me eileba
Nas alas de gaibota ten óndias
De mar a bater an fraguedos
Que me cunta sous segredos
An siléncios de arrolhar.

L siléncio que percuro ten música
De chínchara ou paçpalhaç
De biolino ou piano
Que me lhieba pula mano
An nubres siempre a scuitar.

L silénçio antre bidros antristece
L nial adonde fui chocada
I,...
Rouba-me ls mius siléncios...

1 comentário:

Santa Cruz disse...

Boa noite menina: meu silencio, gostei, mas tudo que escrevo no silencio e nos meus sonhos, dai o titulo de um dos meus blogs e que também é o titulo do meus primeiro livro,na minha aldeia que é próximo a Régua disse que burro velho não tem ensino, mas isso não e verdade não seu velho mas usado, e mesmo assim ainda aprendi alguma coisa.
gostei de ler o teu silencio que também é o meu.
Um beijo
Santa Cruz

Enviar um comentário

Arquivo do blogue